‘’A análise preditiva permite que insights e conhecimento sejam extraídos de forma mais eficiente e completa dos grandes volumes de dados disponíveis, o que é essencial para a definição dos indicadores e metas institucionais’’


Lucas Vitti, da área de Inteligência de Negócios do Sem Parar, e analytics hero de Outubro de 2016, debate sobre o impacto e a importância da implementação da análise preditiva em sua empresa.

Quando você começou os softwares da família IBM SPSS, quais foram seus maiores desafios?
Meu primeiro projeto foi a implantação dos modelos de previsão de inadimplência para o departamento de crédito no Sem Parar. Além do esforço para análise e desenvolvimento, que exigiu a reestruturação dos dados para analisar a carteira de clientes sob uma nova perspectiva, um grande desafio foi disseminar a cultura da análise preditiva: ensinar os clientes internos a interpretarem e utilizarem os resultados de projetos que trabalham com incertezas e auxiliá-los a identificar, dentro de seus próprios departamentos, oportunidades de aplicação do Machine Learning e os ganhos que essas técnicas podem promover.
 
Como você conseguiu apoio organizacional para as suas iniciativas de análise preditiva?
Os resultados positivos dos primeiros trabalhos abriram o caminho para as demais iniciativas. A partir daí o apoio a esse tipo de trabalho surge naturalmente: os demais departamentos também querem esse tipo de solução inteligente para otimização de seus processos e com o crescimento da demanda fica mais fácil justificar demais investimentos em ferramentas e infraestrutura.
Na sua opinião, como a análise preditiva tem mudando a estratégia de negócios hoje?
A análise preditiva permite que insights e conhecimento sejam extraídos de forma mais eficiente e completa dos grandes volumes de dados disponíveis, o que é essencial para a definição dos indicadores e metas institucionais. Além disso, a aplicação em projetos de retenção e fidelização de clientes, direcionamento de campanhas e até mesmo recrutamento e seleção altera a percepção dos departamentos de como gerir esses processos, permitindo novas abordagens para a definição das estratégias de gestão.
 
De que forma a análise preditiva impacta nas suas tarefas do dia-a-dia?
O impacto já é grande e tende a crescer. Dispositivos móveis, sites e sistemas corporativos utilizam cada vez mais soluções de análise preditiva, que podem muitas vezes passar desapercebidas: sugestões de como completar um texto que se está digitando, uma rota mais rápida para chegar ao trabalho, produtos que posso ter interesse. Em meu caso, além de ser um usuário, também trabalho com o desenvolvimento desse tipo de solução, logo o impacto em meu dia-a-dia é ainda maior.
 
Como você acha que a análise preditiva irá lidar com o crescimento de dados em 10-15 anos? Precisamos de outra mudança na tecnologia?
Tenho notado o crescimento dos esforços para a conciliação dos algoritmos de análise preditiva com técnicas de Big Data e aplicação dessas soluções em diversos negócios. Do meu ponto de vista o maior desafio para o sucesso desses projetos não será a falta de recursos tecnológicos para o tratamento do volume de dados, mas a mudança de paradigma necessária: as empresas precisam romper com o conceito de infraestrutura e processamento de dados “clássico” e migrar para esse cenário de tecnologias disruptivas. Esse será um grande esforço e enxergo que será o maior desafio para os especialistas em análise preditiva nos próximos anos.